Comentário de Maria Cristina da Silva sobre o conto “Fia”

O comentário a seguir sobre o conto “Fia” (do livro Passagem estreita) foi escrito e gentilmente enviado pela artista plástica Maria Cristina da Silva (Cris Silva). O desenho que ilustra esta postagem também é de autoria dela.

 

***

 

Ler o conto “FIA” foi como um golpe no estômago, muito dolorido. A autora nos coloca em contato com áreas da mente pouco exploradas, induz a questionar. Durante a leitura a falta de empatia e a aspereza sufoca, dá vontade de espernear. Lembro de climas vividos em alguma obra de Plínio Marcos. Sinto-me de mãos atadas. Necessito chacoalhar o narrador e convencê-lo a ouvir as próprias palavras, para ver se consegue se colocar no lugar da menina. Mas ele segue em suas descrições  cruéis. Os dois personagens que se relacionam com a heroína do conto são igualmente deploráveis e só resta ao leitor entrar na pele da criança renegada ao desamparo e olhar por seus olhos, que, apesar da dificuldade  em interpretação, ainda é capaz de, no seu íntimo, agradecer a parca parte desse latifúndio que recebe em vida.

 

*

 

Maria Cristina da Silva desenha desde criança. Estudou Artes Plásticas na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Interessada por Cultura Afrobrasileira. Foi professora e atualmente trabalha em uma Biblioteca. Vive com sua filha adolescente e três gatinhos em Osasco, Grande São Paulo, Brasil.