Artigos

foto.pixe.4

AS ESTRADAS TRILHADAS E NÃO TRILHADAS DE JONAS BARROS

Divanize Carbonieri

Resenha sobre as fotos de Jonas Barros na Revista Pixé.

foto.pixe.esp

O CONCRETO E O EVANESCENTE EM MARI GEMMA DE LA CRUZ

Divanize Carbonieri

Resenha sobre as fotomontagens de Mari Gemma de La Cruz na Revista Pixé.

foto.athena.2

A CLEPTOMANIA DO AMOR EM SEM AÇÚCAR, DE FLÁVIA HELENA

Divanize Carbonieri

Resenha de Sem Açúcar (2017) de Flávia Helena.

foto.letras.escreve.2

UM RETRATO NECESSÁRIO DO BRASIL EM O INDIZÍVEL SENTIDO DO AMOR

Divanize Carbonieri

Resenha de O indizível sentido do amor  (2017) de Rosângela Vieira Rocha.

foto.acta.2

A NOÇÃO DE DISPÊNDIO NO CONTEXTO PÓS-COLONIAL: UMA ANÁLISE DE UM CONTO DE BEN OKRI

Divanize Carbonieri

Adilson Vagner de Oliveira

Este trabalho analisa o conto The dream-vendor’s August, do escritor nigeriano Ben Okri, a partir de enfoques críticos que relacionam essa escrita pós-colonial às noções de dispêndio e de presente defendidas, respectivamente, por Georges Bataille (1997) e Jacques Derrida (1992). Trata-se de uma reflexão crítica em que se toma a ideia de perda como importante característica desse texto ficcional nigeriano, sobretudo no período entre o final dos anos 1980 e a década de 1990, momento retratado na narrativa de Okri. (…)

foto.sociopoetica

NARRATIVA DISTÓPICA E CONSCIENTIZAÇÃO EM O HOMEM BINÁRIO E OUTRAS MEMÓRIAS DA SENHORA BERTHA KOWALSKI

Divanize Carbonieri

Resenha do livro O homem binário e outras memórias da senhora Bertha Kowalski (2017), de Eduardo Mahon.

foto.ecos

A CORROSÃO EM ALEGRIA DE EDUARDO MAHON, UMA RESENHA

Divanize Carbonieri

Resenha de Alegria (2018) de Eduardo Mahon.

foto.norte

XIBIO DE LUIZ RENATO: UM ROMANCE TRANSESTADUAL DE FLUXOS

Divanize Carbonieri

Resenha do romance Xibio (2018) de Luiz Renato.

foto.entre.lacos

ENTRE LAÇOS, CACHOS E TRANÇAS: O EMPODERAMENTO DAS MENINAS NEGRAS ATRAVÉS DA LITERATURA

Divanize Carbonieri
Sheila Dias da Silva Laverde

Neste artigo reunimos quatro obras da literatura infanto-juvenil que têm em comum meninas negras, com cabelos crespos, como protagonistas. Essas meninas são conscientes e orgulhosas de sua cultura e de seu pertencimento. Nosso objetivo é demonstrar como as autoras dessas obras utilizam essas narrativas para promover e valorizar a cultura africana e afro-brasileira. Acreditamos que trabalhar com essas literaturas em sala de aula permite que as crianças tenham contato com literaturas desconhecidas ou marginalizadas pelos cânones oficializados. Possibilita ainda a construção afirmativa da identidade racial e a valorização da contribuição cultural africana e afrodescendente. Também reforça a beleza negra, uma vez que tais textos discutem não só aspectos culturais e históricos brasileiros e africanos, mas também tratam de questões ligadas à imagem e à autoestima, que são muito comuns ao cotidiano de crianças negras, o que possibilita uma visão crítica a respeito da diversidade cultural e racial de nosso contexto.

foto.igarape

AUTODESCOLONIZAÇÃO E HIBRIDISMO EM MEU VÔ APOLINÁRIO: UM MERGULHO NO RIO DA (MINHA) MEMÓRIA DE DANIEL MUNDURUKU

Valdirene Baminger Oliveira
Sheila Dias da Silva Laverde
Divanize Carbonieri

O objetivo deste trabalho é analisar o livro Meu vô Apolinário: um mergulho no rio da (minha) memória. Nosso objetivo é demonstrar de que forma ocorre a autodescolonização do narrador-personagem e como o hibridismo aparece na obra e vai permeando a constituição identitária de Daniel Muduruku. Nessa obra, ele narra sua história, na verdade, a história da pessoa que foi se tornando ao longo dos anos em que conviveu com o avô Apolinário. Passamos a conhecer a luta do pequeno Munduruku, que nasceu na cidade, numa sociedade em que predominam os valores eurocêntricos. Munduruku luta contra o grupo dominante que tenta lhe impor uma colonialidade. Na escola, recebe apelidos e é motivo de chacota. Na aldeia, sente-se feliz, mas mesmo assim não gosta de ser chamado de índio. Em meio às duas culturas, o menino vive vários conflitos e choques culturais. Por fim, ele se autodescoloniza, aceitando-se como índio e como escritor. Ele mostra que é possível existirem outras perspectivas culturais, como as tradições de seu povo, que ele partilha com seu leitor. A abordagem será conduzida pelas perspectivas teóricas de Aníbal Quijano (2005), Ramón Grosfoguel (2011), Nestor Canclini (2001), Homi Bhabha (1990) e Stuart Hall (1997)

foto.sociedade.fluminense

A SOCIEDADE FLUMINENSE IMPERIAL: ESPAÇOS AMPLOS E RESTRITOS EM “SONHOS D’OURO” DE JOSÉ DE ALENCAR

Divanize Carbonieri

No estudo do espaço ficcional em Sonhos d’ouro, um dos romances urbanos de José de Alencar, é possível vislumbrar a perspectiva que o autor apresenta a respeito da literatura brasileira. É também nessa obra que Alencar insere o famoso prefácio “Bênção paterna”, em que examina as fases da literatura brasileira, posicionando seus romances de acordo com cada uma delas. Na terceira fase, aquela que ele considera o início de uma literatura nacional independente, estariam situados os retratos ficcionais que ele foi capaz de realizar da sociedade fluminense imperial, um contexto híbrido entre aspectos europeus e costumes locais. Dividindo o espaço romanesco em espaços amplos e restritos, o objetivo deste trabalho é estabelecer relações entre o espaço ficcional e as visões de Alencar a respeito da identidade nacional e da literatura brasileira.

foto.equi

EQUILIBRANDO-SE NUMA CORDA BAMBA: ASSIMETRIA E SIMETRIA EM “UNS BRAÇOS”

Divanize Carbonieri

No conto “Uns braços”, assim como em outras obras de Machado de Assis, é possível identificar a dinâmica das relações entre as classes sociais e principalmente entre os gêneros do Brasil oitocentista. Elementos fundamentais no estabelecimento dos códigos sociais de conduta da época, como o interesse, o favor, a bajulação e o despistamento, aparecem dissecados de forma crítica e até mesmo irônica na narrativa. O objetivo deste trabalho é examinar as assimetrias e simetrias entre homens e mulheres delineadas nesse conto pelo posicionamento e movimentação das personagens de acordo com esses elementos.

foto.esta.e.a.maneira

“ESTA É A MANEIRA COMO OS INGLESES VIVEM?”: a diáspora em reverso em “Small Island” de Andrea Levy

Ana Flávia de Morais Faria Oliveira
Divanize Carbonieri

A partir dos anos 90, o foco principal da literatura e da crítica pós-colonial passou a ser as narrativas dos “entre-lugares”, mas especificamente da diáspora. No caso das diásporas africanas e afrodescendentes, esse escopo parece adquirir relevância ainda maior porque muitas vezes a narrativa diaspórica é o meio encontrado de reconstruir um passado obliterado pela escravização e pelo racismo. O romance Small island (2004) da autora afro-britânica Andrea Levy parece ser um bom exemplo disso, uma vez que reconstrói a migração afro-caribenha para a Grã-Bretanha logo após a Segunda Guerra Mundial. O objetivo deste trabalho é demonstrar que a experiência da diáspora faz com que a personagem Hortense se conscientize de sua situação de sujeito colonizado e altere sua percepção a respeito do próprio valor, buscando novas estratégias de sobrevivência e empoderamento.

foto.labirinto

PÓS-COLONIALIDADE E DECOLONIALIDADE: RUMOS E TRÂNSITOS

Divanize Carbonieri

Este trabalho tem o objetivo de examinar as confluências e discordâncias entre a pós-colonialidade e a decolonialidade, buscando interrogar as epistemes e posicionamentos estabelecidos, principalmente nas universidades ocidentalizadas do Brasil. É traçado um percurso delineando a genealogia do pós-colonialismo como abordagem teórica até os questionamentos apresentados pela crítica decolonial.

foto.nervous

NERVOUS CONDITIONS: A LITERATURA AFRICANA ESCRITA POR MULHERES E O TEMA DA EDUCAÇÃO FORMAL

Cláudia Regina Soares
Divanize Carbonieri

Este artigo está organizado em dois momentos principais. O primeiro traz a discussão a respeito da recepção crítica em torno da literatura africana escrita por mulheres e do seu desenvolvimento. O segundo instante se refere à analise da construção do tema da educação formal no romance Nervous conditions (1988) de Tsitsi Dangarembga. Os dois fragmentos têm em comum o exame da importância da educação formal para a transformação da situação das mulheres africanas. Mesmo que seja vista como algo que pode trazer prejuízos, sobretudo em relação a importantes valores culturais, a educação formal de molde ocidental parece se levantar, na obra analisada, como algo imprescindível para a emancipação feminina no contexto africano. Essa é pelo menos a esperança da protagonista Tambu, que se aferra as suas oportunidades de obter educação, com a esperança de poder ter uma vida mais livre do que as outras mulheres de sua família. Nesse sentido, talvez ainda falte, no romance de Dangarembga, um questionamento mais profundo a respeito do reforço de uma perspectiva eurocêntrica, presente numa educação desse tipo.

foto.identidade2

IDENTIDADE, EXCLUSÃO E TRADUÇÃO CULTURAL EM WILD CAT FALLING DE MUDROOROO

Beatriz Marucci
Divanize Carbonieri

No romance Wild cat falling (1965), o escritor aborígene australiano Mudrooroo representa a minoria aborígene no papel de protagonista, algo sem precedentes até então na literatura australiana. São selecionadas para essa representação sobretudo experiências de exclusão e criminalidade, mas também de afirmação da identidade cultural. O objetivo deste trabalho é analisar a construção identitária do jovem aborígene que é a consciência central do romance em suas relações com espaços e pessoas na Austrália contemporânea. Em sua trajetória, o retorno aos valores e ensinamentos culturais ancestrais implica um revigoramento para que possa enfrentar sua realidade de forma renovada. Contudo, Mudrooroo representa esse movimento de volta à cultura nativa não de uma forma essencialista, mas enfatizando os processos de tradução cultural por que passa o personagem. Como referencial teórico a respeito das identidades, são empregados conceitos e discussões de Bauman (2005), Quijano (2005), Hall (2006) e Bhabha (1990).

foto.cad

WILD CAT FALLING E O FENÔMENO DO DREAMTIME NA LITERATURA AUSTRALIANA ABORÍGENE

Beatriz Marucci
Divanize Carbonieri

Em Wild cat falling (1965), o autor aborígene australiano Mudrooroo representa um membro de seu grupo étnico no papel de protagonista pela primeira vez na literatura de seu país. O aspecto político de seu procedimento não se relaciona apenas a essa inclusão, mas também surge na inserção do universo simbólico aborígene na narrativa, exemplificado no fenômeno do Dreamtime, que transforma a experiência do personagem principal. O objetivo deste trabalho é analisar o modo como o Dreamtime é inserido em Wild cat falling, após apresentar brevemente sua importância na sociedade tradicional aborígene e os modos como foi traduzido ou entendido pelos estudiosos ocidentais. Também são investigados o caráter pós-colonial da coletividade australiana contemporânea e o processo de desenvolvimento da literatura aborígene escrita na Austrália.

foto.panoramica

A IMAGEM DA CHUVA: ESTUDO COMPARATIVO DOS POEMAS DE FERNANDO PESSOA E CECÍLIA MEIRELES

Laís Maíra Ferreira
Divanize Carbonieri

Este trabalho tem como objetivo fazer um estudo comparativo de um poema do português Fernando Pessoa e de um poema da poetisa brasileira Cecília Meireles. O poema pessoano que será estudado é “Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva”, o qual compõe a obra Cancioneiro (2002). Já o poema ceciliano que será estudado é “A chuva chove”, um dos sonetos do livro Nunca Mais… e Poema dos Poemas (1923). Durante a comparação, mostraremos como as imagens poéticas são criadas. Para tanto, inicialmente faremos um
estudo bibliográfico que inclui textos de autores que alargaram as discussões sobre a definição de imagem e criação, entre eles estão Bosi (2010) e Paz (1982). Em seguida, faremos o estudo dos poemas. O primeiro a ser analisado é o poema pessoano e posteriormente o ceciliano. Nessas análises, perceberemos que tanto Fernando Pessoa quanto Cecília Meireles empregam
igualmente alguns recursos do código verbal, também chamados de “táticas” de linguagem.

foto.cerrados.2

“ESSE É O SEU POVO, E NÃO AS PESSOAS AFRICANAS”: A CONDIÇÃO DE SER COLOURED EM A QUESTION OF POWER DE BESSIE HEAD

Valdirene Baminger Oliveira
Divanize Carbonieri

O objetivo deste trabalho é analisar as representações do racismo envolvidas na condição de ser coloured em A question of power (1973), de Bessie Head. A narrativa se passa durante o regime do apartheid, tendo como cenários a África do Sul e Botswana. A protagonista, Elizabeth, é uma mulher africana coloured que enfrenta circunstâncias de discriminação acarretadas por sua situação de sujeito híbrido. Serão examinadas as relações entre raça, racismo e contexto social, levando-se em consideração como esses elementos interligados são representados no romance a partir de um entrelaçamento interdisciplinar entre literatura e sociologia.

foto.mulemba

GRACELAND E CIDADE DE DEUS: SUBVERTENDO A COLONIALIDADE NAS FAVELAS DE LAGOS E RIO DE JANEIRO

Divanize Carbonieri

Neste artigo, estabeleço uma comparação entre os romances GraceLand (2004), do nigeriano Chris Abani, e Cidade de Deus (1997), do brasileiro Paulo Lins. Ambas as obras retratam adolescentes vivendo nas favelas, de Lagos e do Rio de Janeiro respectivamente. A favela funciona, então, como um cronotopo pós-colonial, compactando em si tempos e espaços do passado e do presente. O objetivo é demonstrar que essas narrativas centradas em jovens negros e pobres interrogam a colonialidade em que espaços afrodiaspóricos como Nigéria e Brasil ainda estão inseridos.

foto.scr1

A CONTRIBUIÇÃO PURITANA NA LITERATURA COLONIAL AMERICANA: DIÁRIOS, SERMÕES, POESIA

Divanize Carbonieri
Águida Aparecida Gava

Este artigo investiga a contribuição dos primeiros escritores puritanos na literatura colonial dos Estados Unidos e na constituição da imaginação e da personalidade do povo americano. São enfocados três momentos da experiência puritana na América: a chegada dos primeiros peregrinos em 1620, o desembarque do segundo grupo em 1630 e a transição entre o puritanismo e as ideias iluministas no século XVIII. Examinando autores representativos dos três principais gêneros da escrita puritana americana – o diário, o sermão e a poesia –, pretende-se discutir questões como o modo como os puritanos interpretaram sua vida na América, a crença na sua excepcionalidade e também as tensões que sentiam e que deixavam escapar em seus textos.

foto.literatura.debate

O OLHAR DO ESTRANGEIRO AUSENTE: O DISCURSO COLONIAL SOBRE O BRASIL EM THE FATE OF A CROWN DE FRANK BAUM

Divanize Carbonieri

Em The fate of a crown (1905), Frank Baum escolhe Cuiabá como cenário de uma intriga política em torno da Proclamação da República do Brasil em 1889. Mas essa é também a história de um estrangeiro, um norte-americano, e de suas impressões sobre o Brasil. Ainda que tenha selecionado como seu narrador-protagonista um viajante a Cuiabá, Baum apresenta descrições nada precisas da cidade, parecendo basear-se mais numa ausência, numa falta de relatos de primeira mão sobre ela. Contudo, um discurso colonial sobre o Brasil é elaborado nessa narrativa. No início, é uma visão fundamentada em e estereótipos negativos, mas essa imagem vai sendo gradualmente alterada. O objetivo deste artigo é demonstrar a transformação que ocorre no discurso colonial presente nessa obra, ocasionada pelas experiências do narrador-protagonista no Brasil. Além disso, também é explicitado o modo como Baum utiliza esse cenário remoto nos trópicos para tratar de temas como a emancipação feminina e a homossexualidade.

foto.entrelinhas.3

A LITERATURA HÍBRIDA DE WITI IHIMAERA, O AMÁLGAMA TECNOLÓGICO NO LIVRO IMPRESSO E SUA REPERCUSSÃO NOS ESTUDOS DE LETRAMENTO CRÍTICO

Rodrigo Antunes Ricci
Divanize Carbonieri

Este artigo tem como objetivo oferecer uma reflexão a respeito da utilização das tecnologias midiáticas na obra do escritor neozelandês Witi Ihimaera, especificadamente na obra Bulibasha – King of the Gypsies –, bem como assentar um paralelo que demonstre a repercussão dessas técnicas pela análise dos estudos de letramento crítico. Procuramos estabelecer uma abordagem entre elementos da teoria pós-colonial, do hibridismo e da tradução cultural com o campo de estudo desenvolvido pelo letramento crítico, demonstrando que a inserção tecnológica, advinda com a contemporaneidade, exerce influência direta na vida da personagem narradora da obra – Simeon Mahana. Inicialmente, analisamos a característica híbrida da literatura de Witi Ihimaera, com base nos estudos de Homi Bhabha e seus desdobramentos nos estudos da literatura pós-colonial. Em seguida, demonstramos, através de citações extraídas da obra em análise, a utilização da mídia cinematográfica nos excertos em que a personagem inclui em sua narração traços de elementos tecnológicos que fogem ao padrão tradicional da grafia, relacionando a obra com as quatro dimensões da web 2.0. Por fim, discutimos algumas práticas de letramento crítico na educação, no intento de inserir, através da disciplina de literatura, as obras que se situam fora do cânone tradicional de ensino.

foto.acta

“PLEASE DO NOT JUDGE US TOO HARSHLY!” – THE EXILE’S RETURN TO CONTEMPORARY SOMALIAIN LINKS BY NURUDDIN FARAH

Divanize Carbonieri

In Links, Nuruddin Farah (2003) portrays a Somali back to his country after more than two decades of exile. The scenario he meets is a Somalia already free from the dictatorship that expulsed him, but still immersed in a bloody civil war between rival militias. Farah’s narrative is largely built around extensive scenes of conversation and confront between this returnee and the Somalis who remained and became involved in the conflict. The current paper demonstrates that the reckoning made possible by these confrontations does not actually mean a leveling of blame, since Farah seems to be very specific about the main reasons for the nation’s current state of destruction.

foto.glauks.2

CORPO E FEMINISMO EM WITHOUT A NAME DE YVONNE VERA

Sheila Dias da Silva
Divanize Carbonieri

Em Without a name (1994), a zimbabuense Yvonne Vera narra a história de Mazvita, uma mulher africana pobre que resiste a diversos tipos de opressão e tenta buscar um novo futuro para si.Contudo, Vera retrata a resistência da personagem como totalmente aniquilada ao final da narrativa. Sendo reconhecida pela crítica como uma escritora feminista no contexto africano e identificando-se ela mesma como tal, Vera suscita, nessa obra, questionamentos a respeito das possibilidades  do feminismo no cenário da África. O objetivo deste trabalho é analisar os modos como Vera representa o corpo feminino   africano   negro   num   estado   de   completa   desarticulação,tentando estabelecer relações entre esse corpo alquebrado e o modo como o feminismo é expresso nesse romance.

foto.inv.

RUMOS DO ROMANCE AFRICANO DE LÍNGUA INGLESA NA CONTEMPORANEIDADE

Divanize Carbonieri
João Felipe Assis de Freitas
Sheila Dias da Silva

Neste artigo, examinamos alguns rumos do romance africano de língua inglesa na contemporaneidade. Num primeiro momento, discutimos algumas concepções teóricas a respeito do gênero do romance e a especificidade dos romances pós-colonial e africano. Em seguida, passamos a tratar do processo de desenvolvimento do romance africano de língua inglesa, analisando suas diversas fases desde o surgimento durante a colonização até os dias atuais.

foto.scrt2

SHIFTING BOUNDARIES AND ALTERITY IN POSTCOLONIAL FICTION: THE MADONNA OF EXCELSIOR BY ZAKES MDA

Divanize Carbonieri

The initial objective of this paper is to investigate the state of the art of postcolonial literature today, discussing some of its definitions and subsequent broadenings of meaning, so as to understand the contemporary postcolonial condition as the experience of living permanently in a shifting boundary. The subsequent analysis of The Madonna of Excelsior (2002), authored by South-African Zakes Mda, seeks to reveal how otherness is constructed and interrogated in this novel, written in the context of reconciliation in post-apartheid South Africa, where one must slip between past and present.

foto.mulemba

A HISTÓRIA NOS SUBSOLOS DA LITERATURA: AS NARRATIVAS COLONIAIS E PÓS-COLONIAIS DE LÍNGUA INGLESA

Divanize Carbonieri

O objetivo deste estudo é propor uma reflexão a respeito das relações nem sempre transparentes entre literatura e história. Os temores e desejos envolvidos em torno da colonização europeia de outras terras são examinados em suas representações na literatura colonial britânica dos séculos XIX e XX. A reação a essas imagens literárias canônicas também é investigada na análise de um dos primeiros romances da literatura africana de língua inglesa, situado no contexto maior do processo de desenvolvimento das literaturas pós-coloniais.

foto.alere.2

A NARRATIVA PICTÓRICA COMO UMA FRONTEIRA DESLIZANTE EM THE MADONNA OF EXCELSIOR DE ZAKES MDA

Divanize Carbonieri

No romance The Madonna of Excelsior (2002), o sul-africano Zakes Mda insere a descrição de pinturas no início de cada capítulo, criando um espaço de trânsito para o leitor antes dos eventos ficcionais. Essa estratégia dá um novo sentido à criação de uma metaficção historiográfica particular, que retrata um momento nevrálgico da história da África do Sul: justamente a travessia entre o período do apartheid e aquele que caracterizou o seu fim. O objetivo deste artigo é analisar a relação entre a representação dessas narrativas pictóricas como fronteiras textuais e metafóricas e o deslizamento entre violência e reconciliação realizado pelo todo da obra.

foto.polifonia.2

O LETRAMENTO CRÍTICO E AS TEORIAS PÓS-COLONIAIS NO ENSINO DAS LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA

Divanize Carbonieri

Com o propósito de oferecer uma reflexão a respeito do ensino das literaturas de língua inglesa, estabeleço, neste artigo, uma conexão entre a teoria pós-colonial e o letramento crítico, procurando demonstrar que a experiência do contraponto é uma estratégia de leitura de obras literárias que funciona como um elo entre esses dois campos de estudo. Em primeiro lugar, analiso a introdução da leitura contrapontística nos estudos pós-coloniais e seus desdobramentos no decorrer do tempo. Em seguida, discuto três exemplos de reflexões e práticas de letramento crítico na educação literária em que o procedimento do contraponto também parece ser proeminente.

foto.critica.cultural

TEORIAS ONÍRICAS E O ROMANCE ONÍRICO DE INVERSÃO DE NURUDDIN FARAH

Divanize Carbonieri

O objetivo deste trabalho é estabelecer uma conexão entre os estudos dos sonhos e a literatura, analisando como diversas teorias oníricas influenciaram a leitura e possivelmente a construção de três romances africanos contemporâneos. O objeto de análise é a trilogia Blood in the sun, do escritor somali Nuruddin Farah, na qual o autor propõe a combinação de duas camadas narrativas, uma dada pelo que os personagens experimentam em sua vida de vigília e a outra configurada por seus sonhos. A imobilidade experimentada por eles quando despertos, em virtude da opressão política e social que enfrentam em suas comunidades, é compensada nos espaços oníricos, que invertem o que vivenciam no mundo real. Para a compreensão de obras desse tipo, em que os sonhos não são apenas apêndices narrativos, mas elementos que alteram profundamente a estrutura romanesca, é necessário o alargamento do repertório crítico a partir do diálogo com múltiplas teorias oníricas.

foto.realis.2

A TEORIA PÓS-COLONIAL E AS LITERATURAS NEGRAS: IDENTIDADE DE PAIXÕES E REVISÃO TROPOLÓGICA

Divanize Carbonieri

O objetivo deste artigo é analisar a repetição de alguns motivos ou tropos na construção das protagonistas dos romances Beloved (1987) da afro-americana Toni Morrison e Without a name (1994) da zimbabuense Yvonne Vera. Entendemos que essas duas obras se inserem no contexto do Atlântico Negro e que suas personagens apresentam uma identidade de paixões, enfrentando problemas de racialização e opressão causados pela escravidão, pela colonização e pela descolonização. Além disso, podemos vislumbrar entre elas o que Gates Jr. (1988) chama de revisão tropológica. Finalmente, o artigo também oferece uma breve discussão a respeito do desenvolvimento das teorias pós-coloniais.

foto.equi

GIFTS DE NURUDDIN FARAH OU OS SONHOS COMO
PRESENTES

Divanize Carbonieri

Na trilogia Blood in the sun, o escritor somali Nuruddin Farah combina fatores políticos e psíquicos na construção de suas personagens. Os romances que compõem essa trinca apresentam duas camadas narrativas em suas composições: uma dada pelos eventos ficcionais que ocorrem quando os personagens estão despertos e a outra pelos inúmeros sonhos inseridos neles. Em virtude da opressão governamental imposta à Somália pelo regime ditadorial de Siad Barre, durante o qual as ações ficcionais se passam, os personagens dessas obras encontram-se todos imobilizados em suas vidas de vigília, sem possibilidade de alterar suas vidas. O espaço e o tempo dos sonhos surgem, então, como meios de se compensar essa inatividade. O objetivo deste artigo é analisar a estrutura e os significados envolvidos na construção das narrativas oníricas em Gifts, o segundo romance da trilogia.

foto.pleiade.2

ARTE E MITO EM THE INTERPRETERS DE WOLE SOYINKA: O ESTÉTICO COMO POLÍTICO E VICE-VERSA

Divanize Carbonieri

The Interpreters (1965), primeiro romance do nigeriano Wole Soyinka, foi escrito logo após a independência da Nigéria, mas já aparece marcado pela desilusão característica das narrativas do período pós-emancipação política. Os “intérpretes” dessa nova sociedade são jovens intelectuais que vivem em Lagos e que, apesar de se frustrarem com a realidade degradada da nação, não encontram nenhum meio efetivo de alterar essa situação. Kola, um jovem artista plástico, se dedica a pintar um quadro dos orixás, as divindades do panteão iorubá, usando como modelos seus amigos. Assim, existe a idéia de que o passado ancestral da cultura, com toda a sua poderosa mitologia, deve funcionar como um reservatório de energia para a nova nação, fornecendo as ferramentas necessárias para que ela vença seus desafios. Nosso objetivo, neste artigo, é discutir como, na figura de Kola e seus companheiros, Soyinka parece questionar as atitudes dos intelectuais e artistas africanos, propondo para eles um modelo de ação a ser seguido.

foto.pleiade.3

O PÓS-COLONIALISMO COMO PROCESSO E A LITERATURA AFRICANA

Divanize Carbonieri

A partir do esquema em seis etapas proposto por Robert Fraser para o desenvolvimento das literaturas pós-coloniais, analisamos algumas obras ficcionais africanas, escritas por autores nigerianos em língua inglesa, procurando desvendar as características principais de cada estágio. O objetivo é propor uma referência inicial que possa ser usada por professores do ensino fundamental e médio em sua tarefa de ensinar a história e a cultura africana e afro-brasileira.

foto.acta.4

HIBRIDISMO E SIMULTANEIDADE EM THE FAMISHED ROAD DE BEN OKRI

Divanize Carbonieri

Neste artigo, analisa-se o romance The famished road (1991), de Ben Okri, um autor nigeriano que vive e publica suas obras na Inglaterra. O objetivo é demonstrar que é uma obra híbrida entre concepções de mundo e formas de narrar diferentes, características de diversas tradições literárias e orais. A análise é baseada nos conceitos de hibridismo, tradução cultural e cosmopolitismo vernáculo de Bhabha (1990 e 2000), além de textos teóricos sobre a cultura iorubá e a literatura africana, como Soyinka (1976), Okpewho (1983) e Quayson (1997), entre outros. Também são apresentadas as especificidades do realismo mágico africano, um modo narrativo que reúne, em si, estratégias e técnicas distintas, com a discussão de autores como Cooper (2004), Slemon (1988) e Walter (1993).

foto.glauks.2

BUSCANDO UMA NAÇÃO MAIS DOCE: HIBRIDISMO E TRANSCULTURAÇÃO EM SEARCH SWEET COUNTRY DE B. KOJO LAING

Divanize Carbonieri

O objetivo deste artigo é analisar Search sweet country, um romance da fase mais recente da literatura africana, que representa o contexto contemporâneo de uma nação africana pós-colonial como Gana, através da intersecção entre elementos novos e antigos, modernos e ancestrais. Essa coletividade nacional é vista como o conjunto das buscas individuais de diversos personagens, embora uma imagem final e homogênea de nação nunca seja atingida. Também são discutidos os conceitos de hibridismo e transculturação e o modo como eles transformam a estrutura e os significados da obra literária.